O que a gente pensa sobre novas regras em novas relações de trabalho

postado em: Sem categoria

O debate sobre o futuro do trabalho quase sempre segue uma linha nada produtiva que só enxerga dois caminhos: o primeiro, o modelo tradicional de emprego, com controle e subordinação, e o outro de total falta de regulação, pensando apenas no agora.

Um passo urgente que o Brasil precisa dar é tirar os trabalhadores de plataformas digitais dessa indefinição sobre a regularização da sua atividade, para garantir segurança, proteção social e ganhos mínimos aos milhões de brasileiros que prestam serviços por meio delas.

A gente está preparado para dialogar sobre o assunto com o Legislativo, o Executivo, a academia, a sociedade civil, os demais aplicativos e empresas e, claro, com esses trabalhadores (inclusive você, entregador parceiro).

A ideia não é acabar com a legislação trabalhista que já existe, mas ajudar a construir um marco regulatório que não obrigue você e os demais profissionais a precisar escolher entre ter mais benefícios e segurança ou menos autonomia.

Com a garantia da dignidade como ponto de partida, defendemos que o conceito de segurança no novo modelo de trabalho “ganhe corpo”. Na prática, isso se aplica dando acesso à seguridade social, seguro contra acidentes, vantagens em saúde e fundos de proteção em caso de doenças.

Além da garantia de te ouvir na construção desta futura regulação, é preciso ainda prever que você tenha facilidade de acesso às regras de uso, transparência e condições claras e objetivas.

Cabe destacar que, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva, dois em cada três entregadores preferem um modelo de trabalho mais flexível ao registro em carteira. Pra gente, essa liberdade de escolha, bem como a independência e a autonomia devem ser valorizadas e reconhecidas. E isso vale para todos os trabalhadores de plataformas digitais.

Todos somos protagonistas dessa revolução. Essa transformação no mundo do trabalho e nas regras dele deve ser ágil, e com certeza não trará benefícios apenas para os trabalhadores e as plataformas. A sociedade e a economia também ganharão relações cada vez mais dignas e sustentáveis.

Regular o trabalho destes profissionais é um ganho geral: para os trabalhadores, para as empresas e para a sociedade.

Bora construir isso juntos?